Horticultura Biológica: conhece a sua origem?

Spread the love

A AGRICULTURA BIOLÓGICA É UMA IDEIA QUE HOJE ESTÁ ASSOCIADA A PRODUTOS AGRÍCOLAS LIMPOS, SÃOS E FRESCOS, no entanto, qual é a sua origem? Será que sabe em que é que a agricultura biológica realmente consiste?

A agricultura biológica que conhecemos atualmente é o resultado de um processo evolutivo de várias práticas agrícolas desenvolvidas no norte da Europa e na Ásia – Agricultura biodinâmica, agricultura biológica e agricultura ecológica. Apesar de existirem várias diferenças entre si, todas estas formas de produção levavam a um ponto em comum: o equilíbrio natural do ecossistema, com uma relação fortificada entre a agricultura e a natureza, com intervenções naturais e produção extensiva.

Atualmente, a Agricultura Biológica faz parte da legislação europeia e segue um conjunto de regras que permitem a sua certificação e a venda de produtos com o selo de biológico, valorizando-o consoante o mercado para o qual é escoado.

 

Figura: Novo logótipo de produtos certificados e Modo de Produção Biológica (MPB)

 

No entanto, ainda existem muitas questões em relação ao que é a produção em biológico e quais as diferenças em relação a outros tipos de sistemas. À partida, os objetivos são diferentes – com a agricultura biológica pretende-se uma gestão do sistema agrícola que mantenha e melhore as condições originais dos recursos naturais, solo, água, plantas e animais, com recurso a práticas e produtos sustentáveis e de origem natural.

Quando transportamos este modo produtivo para a horticultura, verificamos algumas diferenças imediatas em relação a outros tipos de produção, pois de forma a atingir os objetivos colocados pela produção biológica, o produtor deve implementar formas de cultivar primeiro um agrossistema equilibrado que permita a prevenção dos inimigos das culturas.

Desta forma, quando entramos numa exploração agrícola biológica, é comum observarmos várias culturas a serem produzidas em simultâneo, ilhas ou faixas ecológicas que permitam o desenvolvimento de auxiliares, pontos de compostagem para aproveitamento de resíduos, a colocação de armadilhas, entre outros.

 

Figura: As faixas de compensação ecológica devem manter flor para atrair auxiliares e compensar as monoculturas, podendo ser plantas semeadas ou espontâneas

 

Todos estes elementos permitem a promoção do desenvolvimento biológico na exploração, desde os microrganismos do solo até aos pequenos répteis e mamíferos entomófagos, passando por plantas repelentes e insetos parasitas e predadores.

 

Figura: A joaninha é o símbolo da agricultura biológica – é um inseto predador e voraz, nomeadamente de pulgão, uma das pragas mais comuns na agricultura – no entanto é muito sensível à aplicação de produtos fitossanitários de largo espectro

 

Infelizmente, a prevenção nem sempre é suficiente ou para o ser acaba por depender de produtos fitossanitários para controlar estragos significativos provocados por pragas e doenças nas culturas. Estes podem ser de origem mineral, vegetal ou animal, cuja toxicidade e ecotoxicidade serão mínimas, desde que aplicadas consoante as normas da produção biológica. A utilização de produtos de síntese é permitida apenas em exceções com autorizações especiais.

 

A produção biológica é um mercado crescente devido à sensibilização do consumidor final em relação à saúde e ambiente. Saiba tudo sobre Produção de Hortícolas em MPB com o novo curso técnico da AgroB, com início já no próximo dia 25 de janeiro, onde contamos com a experiência e conhecimento do Eng. Raúl Ribeiro, auditor de organismos de controlo e certificação de produtos agrícolas, nomeadamente modo de produção biológica.


Horticultura Biológica

Autora do artigo:
Ana Filipa Ferreira (Técnica e investigadora agrónoma)