Proteja o Planeta no Dia Mundial da Água

Proteja o Planeta no Dia Mundial da Água

O Dia Mundial da Água celebra-se anualmente a 22 de março. A data visa alertar as populações e os governos para a urgente necessidade de preservação e poupança deste recurso natural tão valioso.

A gestão dos recursos de água tem impacto em vários setores, nomeadamente na saúde, produção de alimentos, energia, abastecimento doméstico e sanitário, indústria e sustentabilidade ambiental. As alterações climáticas provocam graves impactos nos recursos de água. Alterações atmosféricas como tempestades, períodos de seca, chuva e frio afetam a quantidade de água disponível e colocam em risco os ecossistemas que asseguram a qualidade da água.

A comemoração surgiu no âmbito da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento e Ambiente que decorreu na cidade brasileira do Rio de Janeiro, em 1992. Os países foram convidados a celebrar o Dia Mundial da Água e a implementar medidas com vista à poupança deste recurso, promovendo a sua sustentabilidade.

 

Temas do Dia Mundial da Água

2018: Soluções Naturais para a Água

2017: Desperdício de Água

2016: Água e Empregos

2015: Água e Desenvolvimento Sustentável

 

Factos sobre a água

• O volume total de água no planeta Terra é de 1.4 mil milhões km3, e os recursos de água doce rondam os 35 milhões km3 (cerca de 2.5% do volume total de água);

• Destes 2.5%, cerca de 24 milhões km3 (ou 70%) estão em forma de gelo (zonas montanhosas, Antártida e Ártico);

• 30% da água doce disponível está armazenada no subsolo (lençóis freáticos, solos gélidos e outros), o que representa 97% de toda a água doce disponível para uso humano;

• Os lagos e rios de água doce contêm aproximadamente 105.000 km3 (ou 0.3% de toda a água doce mundial);

• O total de água doce disponível ronda os 200.000 km3 - menos de 1% de todos os recursos de água doce disponíveis;

• A atmosfera da Terra contém aproximadamente 13.000 km3 de água;

• 70% da água doce é utilizada na rega, 22% na indústria e 8% no uso doméstico;

• Em 60% das cidades europeias com mais de 100.000 habitantes, a água do solo está a ser usada de modo mais rápido do que a sua restituição.